31 de janeiro de 2012

Campus Party Brasil

Acontece entre os dias 07/02 e 11/02 o Evento Campus Party Brasil que nesse   ano contempla  os educadores  que estão interessados  em  práticas pedagógicas que  utilizam tecnologias digitais.
Entre uma vasta programação encontramos  uma convidada conhecida por nós, a professora Eveline de Souza Eberle que trabalha no NTE de Ijuí. Em 2011 seu  trabalho foi apresentado em Aracaju no 22º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, 17º Workshop de Informática na Escola e 1º Workshop UCA , no estado de Sergipe  confira aqui. Ela irá participar do  debate "Mobilidade digital e educação: a escola para além de seus muros".Dia 09/02/2012 das 11h30 às 12:45. Parabéns Eveline,  iremos  acompanhar on-line.


O EducaParty está entre as ações Especiais:

Barcamp
Campus Fórum
Campus Verde
EducaParty
Campus Empreendedorismo
Semana IPv6
Simuladores
Semana da TV Digital
Wayra Contest
Expo

2 comentários:

GLOBAL EAD Cursos On Line e Presencial disse...

ME AJUDE NESTA CAMPANHA AMIGA:

CYBERBBULLYING NAO É LEGAL

Dilma Resende(1)
CYBERBBULLYING é o bullying na forma on line. Significa dizer que a pessoa (ou grupo de pessoas) usa a tecnologia para praticar comportamentos inadequados e hostis, com o intuito de prejudicar outro.
O problema da internet é que tudo neste ambiente se alastra muito rapidamente, sejam palavras ou imagens depreciativas e isso faz com que essa prática se torne mais perversa. Isso serve para avaliarmos a dimensão do problema, pois se já entendemos o bullying onde menos pessoas são envolvidas e o resultado é atroz, imaginem o cyberbullying que atinge milhares de pessoas (ou a escola toda, ou a empresa toda) em questão de minutos? Isso ocorre pelo fato do mundo virtual simplesmente ser ILIMITADO e a pessoa já fragilizada em função da agressão e exposição não ter forças para se defender.
O fato da tecnologia ser o meio de agressão usado no caso de cyberbullying torna um pouco mais difícil a identificação do agressor, o que não quer dizer que seja impossível, mas até que providencias sejam tomadas e resultados apresentados, a sensação de impotência da vitima do cyberbullying é extrema.
Em função da tecnologia, muito mais pessoas visualizam a agressão, possibilitando algumas vezes até ser compartilhado. Isso fortalece o agressor, enfraquecendo cada vez mais as vitimas. Para o jovem que vivencia isso é completamente DESASTROSO, levando muitas vezes ao suicídio.
Tudo é o contexto. Visto que a vitima se fragiliza e se retrai, muitas vezes não relata o problema e passa a sofrer sozinha e, dependendo do sofrimento como já vimos, as conseqüências podem ser catastróficas. Cá entre nós, COMO VOCE SE SENTIRIA se ao abrir um e-mail ou um perfil qualquer, se surpreendesse com ofensas ou mentiras (aliadas a fotos, posts, etc) a seu respeito, ou se, do dia para a noite, tivesse todos os seus dados (tais como senhas ou números de cartões de crédito) hackeados (roubados)?
Interessante e assustador é que qualquer pessoa pode sofrer esta violência, inclusive professores e escolas. Os agressores geralmente criam posts em redes de relacionamentos depreciando escolas e professores e induzindo outras pessoas a esta prática.
Outro fator importante a lembrar é que há casos relatados de AGRESSORES que passaram a VÍTIMAS e vice versa... Nesse mundo virtual e globalizado é assim. INFINITAS POSSIBILIDADES. Se atitudes não forem tomadas, se posições não forem reforçadas e se mais campanhas de conscientização não forem realizadas, cada vez mais as estatísticas vão nos surpreender. A probabilidade concreta é essa prática se tornar um buraco negro sem controle, porque a tendência do ser humano é sempre revidar.




(1) DILMA RESENDE–http://lattes.cnpq.br/9811175610818466 - Pós Graduada em DIREITO ELETRÔNICO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (Universidade Unigran), Pós Graduada em DIREITO ELETRÔNICO E TI (Fundação Getúlio Vargas – FGV), Pós Graduada em DOCÊNCIA SUPERIOR (Fundação Getúlio Vargas – FGV), Pedagoga Empresarial (Faculdade Dom Bosco-Resende-RJ) e Bacharel em Direito (Universidade Estácio de Sá). Possui diversos cursos de extensão nas áreas de TI e Governança Executiva pela INTEL. Autora de diversos artigos sobre Direito Digital e a sociedade moderna. Membro das Associações/Empresas: IBDI- Instituto Brasileiro de Política e Direito da Informática, Diretora e colaboradora da ONG Serviva e Coordenadora dos Cursos EAD da GlobalEad.
Solicitar artigo completo por email
dilmaresende1@gmail.com

GLOBAL EAD Cursos On Line e Presencial disse...

ME AJUDE NESTA CAMPANHA AMIGA:

CYBERBBULLYING NAO É LEGAL

Dilma Resende(1)
CYBERBBULLYING é o bullying na forma on line. Significa dizer que a pessoa (ou grupo de pessoas) usa a tecnologia para praticar comportamentos inadequados e hostis, com o intuito de prejudicar outro.
O problema da internet é que tudo neste ambiente se alastra muito rapidamente, sejam palavras ou imagens depreciativas e isso faz com que essa prática se torne mais perversa. Isso serve para avaliarmos a dimensão do problema, pois se já entendemos o bullying onde menos pessoas são envolvidas e o resultado é atroz, imaginem o cyberbullying que atinge milhares de pessoas (ou a escola toda, ou a empresa toda) em questão de minutos? Isso ocorre pelo fato do mundo virtual simplesmente ser ILIMITADO e a pessoa já fragilizada em função da agressão e exposição não ter forças para se defender.
O fato da tecnologia ser o meio de agressão usado no caso de cyberbullying torna um pouco mais difícil a identificação do agressor, o que não quer dizer que seja impossível, mas até que providencias sejam tomadas e resultados apresentados, a sensação de impotência da vitima do cyberbullying é extrema.
Em função da tecnologia, muito mais pessoas visualizam a agressão, possibilitando algumas vezes até ser compartilhado. Isso fortalece o agressor, enfraquecendo cada vez mais as vitimas. Para o jovem que vivencia isso é completamente DESASTROSO, levando muitas vezes ao suicídio.
Tudo é o contexto. Visto que a vitima se fragiliza e se retrai, muitas vezes não relata o problema e passa a sofrer sozinha e, dependendo do sofrimento como já vimos, as conseqüências podem ser catastróficas. Cá entre nós, COMO VOCE SE SENTIRIA se ao abrir um e-mail ou um perfil qualquer, se surpreendesse com ofensas ou mentiras (aliadas a fotos, posts, etc) a seu respeito, ou se, do dia para a noite, tivesse todos os seus dados (tais como senhas ou números de cartões de crédito) hackeados (roubados)?
Interessante e assustador é que qualquer pessoa pode sofrer esta violência, inclusive professores e escolas. Os agressores geralmente criam posts em redes de relacionamentos depreciando escolas e professores e induzindo outras pessoas a esta prática.
Outro fator importante a lembrar é que há casos relatados de AGRESSORES que passaram a VÍTIMAS e vice versa... Nesse mundo virtual e globalizado é assim. INFINITAS POSSIBILIDADES. Se atitudes não forem tomadas, se posições não forem reforçadas e se mais campanhas de conscientização não forem realizadas, cada vez mais as estatísticas vão nos surpreender. A probabilidade concreta é essa prática se tornar um buraco negro sem controle, porque a tendência do ser humano é sempre revidar.




(1) DILMA RESENDE–http://lattes.cnpq.br/9811175610818466 - Pós Graduada em DIREITO ELETRÔNICO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (Universidade Unigran), Pós Graduada em DIREITO ELETRÔNICO E TI (Fundação Getúlio Vargas – FGV), Pós Graduada em DOCÊNCIA SUPERIOR (Fundação Getúlio Vargas – FGV), Pedagoga Empresarial (Faculdade Dom Bosco-Resende-RJ) e Bacharel em Direito (Universidade Estácio de Sá). Possui diversos cursos de extensão nas áreas de TI e Governança Executiva pela INTEL. Autora de diversos artigos sobre Direito Digital e a sociedade moderna. Membro das Associações/Empresas: IBDI- Instituto Brasileiro de Política e Direito da Informática, Diretora e colaboradora da ONG Serviva e Coordenadora dos Cursos EAD da GlobalEad.
Solicitar artigo completo por email
dilmaresende1@gmail.com